top of page
  • Rodrigo Passolargo

Memórias da Chuva (2023): A Ilusão Salutar de um povo

Crítica por Rodrigo Passolargo



Em 1883, o escritor Ignatius Donnely baseado nos relatos platônicos defendia em seu livro “Atlântida, um mundo antediluviano” que tal continente existiu e desapareceu nas profundezas do oceano junto com quase todos seus moradores diante de uma terrível convulsão da natureza. Platão, Donnely, Bacon e tantos outros relataram sobre tal catástrofe assim como o diretor Wolney Oliveira faz em “Memórias da Chuva”, documentário que teve sua estréia no Festival de Gramado, foi exibido em sua premiere alencarina no 33º Cine Ceará e vencedor do prêmio de Melhor Filme Júri Popular e Melhor Edição no 18º Fest Aruanda. A diferença de Wolney para seus clássicos antecessores é que os sussurros de sua narração são mais densos e nos aproximam da problemática e causa do filme, esta longe de ser a mesma dos atlantes. Porém, não menos catastrófica.


A rica pesquisa feita por Mayara Magalhães chega nas mãos da direção que protagoniza a visão que importa: o povo jaguaribarense do Brasil Real. As fortes imagens e documentos da migração do povo da cidade de Jaguaribara faz Memórias da Chuva ser uma nova e precisa escritura fílmica que denuncia o que não devemos desmemoriar: o abandono compulsório de lares para dar espaço ao açude Castanhão na esperança de amenizar - e até erradicar - o quadro da seca no Ceará. A condução criminosa num local onde a água é um desejo máximo necessidade sertaneja, vista como uma divindade que molha a terra e faz brotar a vida em verde.


Venderam uma utopia.


Uma utopia que, segundo Umberto Eco (2013, p. 102) “é etimologicamente um não lugar, embora alguns estudiosos definam o U como um eu grego e interpretam bom ou ótimo lugar. Mesmo Thomas More defendendo a palavra como ambígua, ainda sim tratamos de um país inexistente” A retroescavadeira social arrasta multidões - contra ou convencidos na sua vontade própria - para terras que parecem verdadeiros paraísos, mas que depois reconhecem-se como penumbras da realidade. Paredes brancas, ruas cinzas em linhas uniformes esticadas como a pouca manteiga que se espalha num enorme pedaço de pão, dissolvendo-se entre miolos insípidos.


O referido documentário cearense revela o jaguaribarense com o sofrimento de um Atlas Jandaial, destinado a carregar em suas costas o peso hercúleo de uma falsa terra mirabilia sem poder olhar para trás.


No Oriente Médio, há um conto popular intitulado “Ilusão Salutar” catalogado por Ahmed el Ibchihi e Rat. Nele é relatado que Sabur-dzul-Actâf adoeceu de saudades por conta do seu cárcere em Rum, o país dos Cristãos:


A filha do rei, apaixonada por ele (Sabur-dzul-Actâf), perguntou:

- O que desejas?

- Um gole d’água do rio Tigre (Ed Didijah) e o odor da terra de Istakhr!, respondeu o guerreiro.

Dias depois a princesa trouxe a água do Tigre e aspirou o cheiro da terra de Istakhr. E ficou bom.


(CASCUDO, Luís da Câmara. Superstições do Brasil. Global Editora. São Paulo, 2001)


Cascudo concluiu em comunhão da coleção de relatos pernambucanos e baianos “Superstições e Crendices”, recolhidas pelo Reverendo Rosalino da Costa Lima que, quando uma pessoa necessita mudar de um terra para a outra, leva consigo um pouco de areia para beber com água, a fim de combater doenças originadas na nova terra que emigrou.


Este que vos escreve arrisca algumas rimas na tentativa de mostrar que o povo arrancado de suas casas ainda busca ao menos um punhado de terra para misturar com as águas que correm de seus semblantes:


“Em Jaguaribara aconteceu

Dois grandes dilúvios

Uma torrente prevaleceu

Em dois grandes flúvios


A primeira inundou os lares

A segunda alagou os rostos

A primeira afundou milhares

A segunda emergiu desgostos


A primeira o sol secou

Mas a segunda no entanto

Ao povo ninguém chegou

Para enxugar seu pranto”


[O crítico Rodrigo Passolargo elegeu Memórias da Chuva como Melhor Filme de 2023]

Comments


bottom of page