© 2016 ~ Associação Cearense de Críticos de Cinema - Aceccine.
Todos os direitos reservados.

Parceiros

Morto Não Fala (2018), de Dennison Ramalho

15/10/2019

 

Embora seja um dos gêneros mais populares do cinema, o terror sempre foi marginalizado em produções brasileiras. Até seu maior representante, o cineasta José Mojica Marins, o Zé do Caixão, encontra mais reconhecimento no exterior do que no próprio país de origem. Por anos reservado à produções independentes de baixo custo que, junto com as pornochanchadas, movimentavam o famoso – ou infame, dependendo da perspectiva – polo cinematográfico paulista Boca do Lixo, o terror brasileiro tem encontrado mais espaço nos últimos anos com obras como "Quando Eu Era Vivo" (2014), "O Animal Cordial" (2017), "As Boas Maneiras" (2017) e o mais recente "A Sombra do Pai" (2018), que levam o gênero mais a sério.

 

Nesse contexto, "Morto Não Fala", que já chamou considerável atenção internacional, insere-se no mercado brasileiro em um período bastante oportuno para o gênero. Acompanhado de "O Clube dos Canibais", "A Noite Amarela", "Histórias Estranhas" e "Intruso", o longa participa de um importante momento do terror nacional, que se liberta do circuito fechado de festivais e desbrava as salas de cinema de todo o país.


O enredo gira em torno do técnico em necropsia Stênio, interpretado por Daniel de Oliveira. Por algum motivo não revelado, o profissional do Instituto Médico Legal tem a capacidade de se comunicar com os mortos, e costuma manter diálogos informais com os cadáveres que chegam à instituição. No momento em que uma dessas conversas dizem respeito à sua vida pessoal, Stênio se sente no direito de agir da maneira que julga necessário, e sua vida começa a ser atormentada por um espírito que ameaça toda sua família.

 

Adaptado do romance homônimo de Marco de Castro, o roteiro escrito por Cláudia Jouvin e pelo diretor Dennison Ramalho contextualiza bem as camadas do enredo, estabelecendo a situação do protagonista, suas relações familiares e profissionais, seu caráter e suas motivações. Conhecer Stênio é fundamental para que possamos nos importar com o personagem, mesmo questionando algumas de suas atitudes. Porém, o grande mérito do roteiro é fazer o espectador entender também o lado do espírito. Ramalho, já experiente no gênero, reconhece a importância de trabalhar o aspecto humano da história para além das convenções associadas ao terror. Dessa forma, justifica a presença da entidade, sua ligação com o protagonista e o mal que quer causá-lo.

 

Daniel de Oliveira, que já provou seu talento e versatilidade em várias obras televisivas e em filmes como Cazuza: "O Tempo Não Pára" (2004) e "A Festa da Menina Morta" (2008), aqui expressa bem a personalidade contida e até submissa de seu personagem. Seus momentos explosivos revelam mais desespero e tristeza do que propriamente ira, passando por situações exaustivas até para o espectador. O elenco também conta com nomes conhecidos como Fabiula Nascimento, que destaca a personalidade forte de Odete, esposa de Stênio; Bianca Comparato, conhecida pela série "3%" da Netflix e que aqui vive Lara, amiga do protagonista; o experiente Marco Ricca na pele do padeiro Jaime; e as crianças Cauã Martins e Annalara Prates, que atuam muito bem como os filhos de Stênio.

 

Os efeitos práticos de Marcelo A.M.P. são bastante convincentes, já os efeitos visuais de Wildson Chinaglia e Rodrigo Ridolpho deixam a desejar em alguns momentos. A intenção de movimentar apenas a face dos cadáveres enquanto falam, mantendo todo o resto do corpo totalmente imóvel, é compreensível para a ideia que se quer passar e, no geral, são realizados de modo satisfatório. Porém, em algumas cenas específicas, principalmente nos planos de close nos rostos dos mortos, o resultado dos efeitos é artificial. O recorte da face é evidente, e sua iluminação também se difere da fotografia da cena. Apesar disso, a história intrigante e imersiva não é prejudicada por esses momentos pontuais.

 

"Morto Não Fala" é um belo presente para o mês de Halloween e já se destaca como um dos melhores filmes nacionais do ano, sendo um grande representante dessa nova onda de terror brasileiro que emerge entre jovens cineastas e encontra o merecido lugar em um circuito abrangente do mercado cinematográfico brasileiro.

 

Publicado pelo Autor no Cinemaginando

 

Please reload