PARCEIROS

Ativo 1.png
Ativo 2.png
Ativo 3.png

© 2019 Aceccine - Associação Cearense de Críticos de Cinema

Maresia (2015), de Marcos Guttmann

19/06/2016

O longa-metragem de estreia de Marcos Guttmann, "Maresia" (2015), é um filme sobre paixões e obsessões, duas palavras, aliás, que são quase sinônimos. Temos a paixão de um artista pela sua arte, a pintura, e posteriormente por uma jovem viúva que ele conhece e constitui família, e, em paralelo, a paixão obsessiva de um apreciador de arte pela obra deste pintor fictício e suas obras fascinantes.  Os dois papéis são interpretados com intensidade por Julio Ribeiro, um dos melhores atores de sua geração, e que felizmente tem dado mais preferência ao cinema do que a televisão para a construção de uma carreira sólida e cheia de ótimos momentos.

 

Ele é a espinha dorsal de Maresia, não apenas pelo desafio em interpretar personagens diferentes em épocas diferentes, mas por dar ao filme mais do que a direção e o roteiro adaptado do premiado romance "Barco a Seco", de Rubens Figueiredo, conseguem extrair. Aliás, mesmo quem não sabe que o filme é adaptação de uma obra literária já pode sentir, talvez por ver ecos de autores como Rubem Fonseca ou Jorge Luis Borges aqui e ali, talvez por notar que os personagens são apresentados como pinceladas, como sujeitos (ou objetos) sempre incompletos.

 

Mas como essa incompletude também faz parte da ideia do filme, "Maresia" é possuidor de um charme notável, e vai ganhando força à medida que pensamos nele. Além de Andrade, outro ator, o veterano Pietro Mário (mais conhecido por sua carreira extensa como dublador), conta mais pontos positivos para o filme de Guttmann. Sua presença como um misterioso velhinho vendedor de obras do lendário pintor desaparecido é essencial para que o filme se fortaleça e ganhe momentos de grandeza, como é o caso da cena em que o colecionador o visita em sua casa.

 

Outro destaque do filme é a montagem que alterna presente e passado, costurada como o fluir das ondas do mar. Como Andrade faz os dois papéis, algumas vezes o que ocorre em um momento é semelhante ao que ocorre em outro, como em cenas em que o personagem está na praia. O som das ondas, aliás, dá o tom das emoções, já que é o habitat natural do pintor selvagem que chega a pintar uma de suas obras em um bacalhau para presentear a mulher amada, vivida por Mariana Nunes, de "Febre do Rato".

 

Uma das curiosidades de "Maresia" está no modo como o especialista em obras Gaspar imagina o pintor excêntrico Vega: como um espelho de si mesmo. Assim, a opção pelo mesmo ator para viver os dois personagens não tem nada a ver com qualquer homenagem ao Buñuel de "Esse Obscuro Objeto do Desejo" ou coisa parecida. Mas no quanto a obsessão de Gaspar por esse mítico homem e sua jornada misteriosa faz com que o passado – ainda que totalmente oculto a ele e somente visto pelos olhos do narrador onisciente e do espectador – e o presente se mesclem. E por isso essa conjunção se torna tão mágica na tela quando o personagem do especialista em obras de arte encontra o velhinho colecionador.

 

Filme visto no 26º Cine Ceará - Festival Ibero-americano de Cinema.

Please reload